Arquivo da categoria: Doenças do Bebê

tipos de choro do bebê

Tipos de Choro do Bebê – Identifique as necessidades do seu bebê

Nem mesmo as mães experientes conseguem identificar todos os tipos de choro de um bebê, principalmente porque a criança começa a chorar repentinamente pegando a mamãe de surpresa, o mesmo pode-se dizer do pediatra, que não saberá identificar exatamente qual o problema da criança, a menos que possa observar seus movimentos e realizar uma leitura do que o mesmo poderá estar sentindo.

O método mais antigo e certeiro é o famoso “tentativa e erro”, para descobrir o que a criança sente através do método de eliminação de possíveis fatores que podem estar incomodando a criança, devendo ter paciência até que se descubra o que ela quer.

tipos-choro-bebe

Os tipos de choro mais comuns

A criança não é tão complexa quanto parece, pois seus choros tem uma limitação de acordo com seu conhecimento, os quais estão relacionados ao seu instinto de sobrevivência e necessidades básicas. Ou seja, estão relacionados com a necessidade de comer ou dormir, sensações como dor, frio ou calor, desconforto e até mesmo por amparo emocional, quando o bebê se sente sozinho.

Para cada evento em que a criança dá início ao choro, a mãe deve buscar realizar um ritual de tentativas até que encontre o problema e a criança pare de chorar e se acalme.

Fome

O choro de fome pode ser identificado pelo movimento de abrir e fechar a boca, ou ainda salivar, e o mesmo se confirma quando a criança pára imediatamente de chorar para comer, podendo perceber ainda a gula que a mesma apresenta ao pegar o bico, do contrário, a criança poderá evitar o bico e continuar chorando, mesmo tendo identificado o alimento. Aliás, se você tem dificuldades para amamentar seu filho ou precisa de dicas, confira o nosso guia completo de amamentação.

Dores

O choro de dor é mais agudo, onde o bebê aparenta desconforto, podendo ainda mover as pernas ou talvez dificuldade em manter o choro. Esse choro normalmente é inconstante, com intervalos, revelando que a criança tem dificuldade de manter o choro devido a dor. Neste caso, descobrir a dor pode ser bem difícil, a criança poderá apresentar cólicas, dores de ouvido ou qualquer outro tipo de dor. Caso a mãe não consiga encontrar o motivo de maneira rápida, é aconselhável levar o bebê ao médico.

Sono

Já no choro de sono o nervosismo da criança é aparente. Quando a criança está com sono ela também apresenta outros sinais, como coçar os olhos ou esconder-se nos ombros da mãe. Esse choro é um dos mais fáceis de identificar, pois depois de alguns dias com a criança, a mãe consegue identificar facilmente os sinais de sono do bebê. Veja como fazer o bebê dormir sozinho.

Emocional

Outro tipo de choro bastante comum é o choro emocional. Nesse, a criança não tem nenhuma necessidade aparente – mas se sente sozinha e desamparada. O choro emocional normalmente é acompanhado de soluço, e ocorre quando a criança deseja de sentir segura: seja porque “estranha” algum membro ou conhecido da família ou porque ficou sozinha em um determinado ambiente.

Agora que você já conhece as formas mais comuns de choro dos bebês, vai ficar muito mais fácil para lidar com a criança no dia a dia. Lembre-se sempre: quando a criança começar a chorar, embora o barulho seja desesperador e acarrete naquela vontade de chorar junto com o bebê, você deve manter a calma e seguir a sua rotina para descobrir o motivo pelo qual a criança está chorando.

E você, conhecia esses tipos de choro? Você já tem estabeleceu um “checklist” para o choro do seu bebê? Compartilhe as suas dicas com as mamães aqui do blog! Deixe seu comentário nesse artigo! 😉

Alergia Alimentar em Bebês – Existem alimentos totalmente seguros?

Certos alimentos podem causar alergias nos bebês, inclusive alimentos bem comuns em nosso dia-a-dia. Aprenda mais sobre as alergias alimentares dos bebês e também entenda o que você pode fazer para evitá-las.

bebe-comendo

O que é uma alergia alimentar?

Toda vez que existir alguma reação à algum alimento, seja na pele, cólicas, problemas respiratórios ou intestinais, pode ser uma alergia de causa alimentar.

Alimentos que causam alergias nos bebês

bebe comendo frutas

Por incrível que pareça, alimentos muito comuns em nossa alimentação podem causar alergias no bebê, como ovo, leite, castanhas, amendoim, frutos do mar e algumas frutas cítricas.

Os sintomas da alergia aparecem na pele, também inchaços nos lábios e língua algum tempo após o consumo desses alimentos e em até duas horas do momento da ingestão dos alimentos.

Em caso de alergia grave pode impedir a respiração e também fazer a pressão sanguínea cair, levando ao desmaio.

Alergia ao leite ou lactose

Por incrível que pareça, o leite de vaca ou propriamente a proteína presente no leite, a lactose, causa muitas alergias ou a chamada intolerância à lactose. Neste caso, é comum o bebê ter cólicas, gases, diarréia e vômito ao ingerir o leite.

Um substituto ao leite de vaca é o leite de soja ou as fórmulas de leite em pó especiais, que são totalmente sem lactose.

Apesar de caras, essas fórmulas de leite em pó são importantes, pois nos primeiros anos de vida, o leite é um dos principais alimentos da criança e ajuda em seu desenvolvimento por possuir muitas vitaminas e minerais.

Alergia ao Glúten ou Celíacos

Um outro tipo de alergia alimentar muito conhecida é a alergia ao glúten. O glúten é uma proteína presente em diversos alimentos como trigo, centeio, cevada, aveia e derivados, e apesar de estar presente em diversos alimentos, ela não é necessária ao nosso organismo, um dos motivos que a sua digestão é bem difícil em nosso organismo. Para muitas pessoas, a ingestão de alimentos contendo glúten não causa efeito nenhum, mas para outras os efeitos são bem ruins.

Hoje, todo produto industrializado deve indicar no rótulo se contém glúten, e para os celíacos, nome científico dado aos que tem a doença celíaca ou sensibilidade ao glúten, isso é muito bom, pois evita os indesejáveis efeitos de sua ingestão.

Os sintomas variam de pessoa para pessoa, e na maioria dos casos são ligados à problemas gastrointestinais, estômago e intestino, podendo dar desconfortos como intestino preso ou diarréia, aumento de gases, sensação de estufamento, dor abdominal, perda de apetite e vômito.

As conseqüências de não se perceber a intolerância ao glúten rapidamente são o emagrecimento, anemia, queda de cabelo acentuada, maior do que o normal e também a mudança de humor e irritabilidade.

Infelizmente a intolerância ao glúten não tem cura, então o único meio de tratamento é evitar os alimentos que contém a proteína. Isso acaba limitando vários alimentos como cereais matinais, pães, bolos, massas, qualquer produto com farinha de trigo entre outros.

Existem alimentos alternativos, que não substituem os alimentos citados acima, mas que podem ser consumidos sem nenhum risco: mandioca e derivados, batata, de preferência não industrializada, arroz e milho em todas as suas formas.

Cuidados na alimentação

A melhor maneira de evitar as reações alérgicas é evitar os alimentos que você já sabe que dão alergias ao seu bebê. Verifique todos os rótulos dos produtos industrializados que você está oferecendo para a criança.

Alguns bebês são tão suscetíveis às alergias que mesmo tomando leite materno, sofrem com as alergias de alimentos ingeridos pelas mães. Neste caso, a mamãe também acaba tendo que se preocupar com sua alimentação para evitar as reações alérgicas do bebê.

Quando a alergia vai embora?

Com o passar dos anos, boa parte das crianças acaba deixando de ser alérgica, fruto do desenvolvimento do sistema imunológico da criança. Nos casos de intolerância à lactose, 85% das crianças superar a alergia aos 3 anos de idade, já a alergia à ovo e seus derivados costuma demorar mais, somente aos 5 a 6 anos.

Algumas alergias são mais intensas e precisam de cuidados durante toda a vida, como a alergia aos frutos do mar, peixes ou camarão e castanhas como o amendoim.

Assaduras – Dicas para Evitar Assadura no Bebê

A assadura é uma irritação na derme do bebê que causa ardência e coceira, podendo ser causada pelo atrito da fralda ou ainda devido a exposição da pele do bebê com os próprios dejetos ou com sua urina, sendo assim, nos casos em que a criança apresentar vermelhidão e bolinhas, consulte um pediatra antes de tomar qualquer decisão.

Durante o chá de bebê com certeza foi pedido e recebido uma pomada para assaduras, podendo esta ser utilizada nos casos mais extremos ou ainda até que a consulta seja marcada, aliviando os sintomas de assadura que irritam o bebê.

assaduras

Dicas para Evitar Assaduras

As vovós sempre argumentam sobre o uso da Maisena, e antes que ache um absurdo, saiba que esta farinha além de secar a assadura, suaviza o atrito entre a fralda e a pele do bebê, se tornando muito eficaz no alívio dos sintomas.

Os lenços umedecidos também podem ser causadores de assaduras, já que modificam o pH da pele do bebê e contém em sua composição, componentes que causam alergia, sendo assim, evite o uso do lenço e prefira a lavagem com água e sabão neutro, que garante a proteção da pele do bebê, após a lavagem, nada como um pouco de talco para manter a pele do bebê protegida.

Vestir o bebê com roupas folgadas, impede que esta fricção entre a pele e o tecido cause alergia ou assadura, e estes fatores combinados com a transpiração da pele da criança, pode obter-se um problema de assadura ainda maior, ocupando maior proporção da pele. Aliás, se você tem dúvidas, confira nossas dicas sobre como vestir o bebê.

Manter o bebê higienizado, com fraldas limpas, e com um creme ou pomada que sirva de barreira protetora da pele, poderá garantir que a assadura não apareça ou ainda seja algo leve, podendo ainda utilizar as fraldas de pano caso a criança apresente estas assaduras com muita frequência, podendo se revelar um quadro de alergia, devendo então utilizar a fralda de pano para que a pele do bebê se restabeleça, e dê tempo da pele da criança respirar aliviada, devendo retornar ao uso da fralda descartável, somente quando a criança estiver livre desta alergia.

Bebê e Brotoeja

Brotoejas – O que são e dicas para evitá-las

Ao menor sinal de mudanças na pele, a mãe deve se direcionar ao pediatra para avaliação médica, no entanto, se for somente um caso de brotoeja, garanta que poderá identificar este problema novamente e proceda com as sugestões médicas todas as vezes que o problema surgir.

A brotoeja apresenta uma coloração que pode ser mais clara ou mais escura do que a cor da pele, pode ser plana, irregular ou ainda escamosa alterando a textura da pele, estas erupções cutâneas são causadas pelo bloqueio dos poros e normalmente atingem maior número de crianças.

A brotoeja é principalmente causada pelo excesso de calor que a criança sente. Quando o tempo estiver muito quente, procure dar vários banhos no bebê para refrescá-lo, tirar o suor e evitar que as famosas brotoejas surjam. Aliás, também confira nossas dicas sobre como vestir a criança no verão e deixar ela sempre fresquinha.

Bebê e Brotoeja

Como Prevenir as Brotoejas?

Devido a origem das brotoejas ser pelo excesso de calor, os pais devem garantir que a criança se refresque várias vezes durante o dia, mesmo que sejam banhos no chuveiro sem o uso do sabão, como se fosse uma diversão de quintal com mangueira. Deixe a criança usar a roupa de banho e passar alguns minutos debaixo do chuveiro.

A piscina, o banho de mangueira ou ainda o banho de bacia são válidos para a criança se refrescar, e após esta diversão, garanta que a criança use roupas de tecido leves, ou ainda que fiquem com pouca roupa, permitindo a transpiração adequada.

A ingestão de líquidos, como sucos, água ou ainda alguns sorvetes e picolés, podem aliviar o calor, e manter a criança na sombra, também alivia o calor excessivo, contribuindo para o frescor da criança e sua transpiração.

Caso a brotoeja venha acompanhada de febre alta ou persista durante muito tempo, é ideal que o médico seja consultado, para garantir que não existem fatores mais graves que possam ocasionar neste quadro clínico, possibilitando a criança a ter um tratamento adequado com o uso de medicamentos que aliviem seus sintomas preocupantes e permitam que a criança possa se restabelecer.